"BIOGRAFIA"

"Maria do Céu Moura"

 
 

Maria do Céu Monteiro Cardoso de Moura; nascida em Cortegaça, perto de Ovar, licenciada em História, aposentada desde 2008. Tem 2 filhos a que ela chama "Os seus Tesouros". Reside em Vila Nova de Gaia desde a idade 14 anos.
 
Desde os seus 16/17 anos sentiu a necessidade de desabafar e a sua melhor conselheira é a folha e o lápis. Escreveu algumas poesias para o jornal da época, "Artes e Letras" do Porto, único acesso naquela altura ao mundo da escrita.
 
Existiu um longo período sem escrever, ou seja, trabalho, casamento, filhos... Muito mais tarde teve a necessidade de voltar a encontrar-se consigo mesma, isto é, com a Poesia...
 
 
Está ligada a algumas Associações Culturais Poéticas, actualmente é membro de "Confrades da Poesia" - Amora / Portugal
 
Bibliografia:
Editou um Livro em Julho de 2008 "De mão dada com os sonhos"
Tem um que a curto/médio prazo tenciona editar.
 
 
Blog: 
E-mail:  dd-jj@hotmail.com

APETECE AMAR-TE
 
Apetece amar-te
Ver o luar dos teus olhos a incendiar os meus
Apetece amar-te
Ao ver-te sinto voar
Numa volúpia celestial, pelo azul dos ares
Que invade o infinito e me aproxima
Apetece amar-te
Como pão sacia a fome em tardes de Outono
Bebo o suor do teu mar
Que em paixão me tomou
Apetece amar-te
Em teu regaço sonhar um instante
Ler-te os sentidos
Saborear amoras em tua boca
Em degrau sobe o encontro
O dia de lábios
Brotando a luz do teu olhar…
 
 
LUA, TUA
 
E a lua viajou…
Caminho na rua silenciada, desordenada
Peço licença às pedras
Vou devagarinho
Não vejo nada
Sou levada pelo perfume da noite
As pétalas conduzem-me
A porta vai abrir
Entro na ilha de tu’alma
Não importa se a lua se afastou
Se o trajecto é íngreme
Nada importa
A tua porta é alva
Deixa-me habitá-la
Sedenta, entro
Tocando, voando, com asas brancas
Vamos descobrir a lua
Iluminar a rua
Entro e serei tua…
ATENTA
 
Teu pensamento é poesia
Atenta o ouço
E logo o meu fica em anestesia
Alma a soluçar me chama
É corpo feito de lua
Rosto iluminado a dizer sou tua
O sagrado pólen do amor
Não se esvazia
É o supremo infinito desejo
Feita peregrina de teu beijo.
 

 
 
 

"CONFRADES DA POESIA"

www.osconfradesdapoesia.com