"BIOGRAFIA"

"Manuel Nobre"

 
 

Manuel Santos Leonor Nobre – nome literário “Manuel Nobre” – nascido a 26 de Janeiro de 1954. Natural de S. Teotónio – concelho de Odemira. A residir em Sines. Filho de uma família de pequenos agricultores. Habilitações literárias ; 4ª classe. Em outubro de 1971 com 17 anos de idade alistou-se como voluntário para a Marinha Portuguesa; passando à Reserva em Outubro de 1975. Foi ex-combatente na Guiné-Bissau, de Janeiro/73 a Outubro/74, como Marinheiro Artilheiro. Deu continuidade como militar nas Forças da Guarda Fiscal em set/78, prestando serviço fiscal em várias unidades.

Em Março 1982 com várias formações profissionais - colocado em Sines, desempenhando as funções de Op.Trams. e cripto – até dezembro de 2002. Data de sua aposentação.

A vida de labuta e vontade de trabalhar enfrentou - (CAP) com máquinas de elevação como manobrador em várias empresas no complexo industrial de Snes até 2006. O seu gostar pela música o levou a tocar viola e a cantar nos centros de convívio. Na poesia é dotado em fazer quadras alusivas aos seus cantos, partilhando-as no boletim mensal dos Confrades. É membro dos “Confrades da Poesia” …

 

 
Bibliografia:
Brevemente...
 
Sites -
https://www.facebook.com/manuel.nobre.31
 
 
 
Num descuido mudei de farda
 
Fui Militar na Armada
Bati Malagueiro no duro
Depois vim para a Guarda
Passei de Cavalo p'ra Burro.
 
Há malta que tem mania
A vaidade não me diz nada
Hoje recordo com saudade
Fui Militar na Armada.
 
Fui combatente na Guiné
Sou Português de sangue puro
Num descuido mudei de farda
Bati Malagueiro no duro.
 
Fui Marinheiro Artilheiro
Servindo a Pátria amada
Não ligando a conselhos
Depois vim para a Guarda.
 
Na recruta em Vila Franca
Ninguém era casmurro
Éramos todos uma Família
Passei de Cavalo p'ra Burro.
 
Depois de jurar Bandeira
Fui p'rá Escola de Artilharia
Onde me especializei
Há malta que tem mania.
 
Foi a minha primeira farda
Para mim a mais amada
Digam lá o que disserem
A vaidade não me diz nada.
 
Ingressei na Guarda Fiscal
Força com grande actividade
A vida dá tantas voltas
Hoje recordo com saudade.
 
Mas eu não posso dizer
Que a sorte me foi malvada
Tive bons momentos de lazer
Fui Militar na Armada.
 
Ser Guarda Republicano
Para tal eu não tinha fé
E isso me desmotivou
Fui combatente na Guiné.
 
Caminhando sempre em frente
Eu galguei mais este muro
Uma vida ligado à farda
Sou Português de sangue puro.
 
Lancha, Patrulha e Fragata
Tive experiência embarcada
Com muitas recordações
Num descuido, mudei de farda.
 
 
Manuel Nobre - Sines
 
 
 
 
Hoje eu estou recordando,
Os "Duo Ouro Negro"saudosos.
E assim estou cantando,
Um tema que os pôs famosos.
 
Manuel Nobre - Sines
 
 
 
 
Páscoa Feliz
 
Nesta coisa das cantigas,
Não passarei de aprendiz.
Para os amigos e amigas,
Votos d'uma Páscoa feliz.
 
 
Manuel Nobre - Sines
E o pedido assim foi satisfeito
Dedicado ao Pinhal Dias
(Poema para um pescador)
 
A pedido d'um Filho da Escola,
Toco e canto esta Melodia...
E assim com a minha Viola,
Eu abraço a Nostalgia.
 
 
Manuel Nobre - Sines
 
 
O que tenho de mais belo
E que o meu coração ama
Eles espreitam do Castelo
A praia Vasco da Gama.
 
Manuel Nobre - Sines
 
 
Eu fui com os meus Netos
Ali à frente ver o Mar...
São enormes os afectos
E a esperança de os ajudar.
 
Manuel Nobre - Sines
 
 
Meu Caminho percorrido
Com Amor e com sentido
Foi tudo o que sempre fiz...
Ser Pai é felicidade
Ser Avô uma verdade
Meus Netos minha Raiz.
 
Manuel Nobre - Sines
 
 
 
Quando vamos ó Algarve
Visitar os nossos Môces...
Petiscamos uns bolinhos
P'ra dizermos palavras dôces.
 
Manuel Nobre - Sines
 
 
 
Mesmo sem motivação,
Eu ajo desta maneira.
Cantando esta canção,
Que é do Paco Bandeira.
 
 
Manuel Nobre - Sines
 
 
 
 
Morna de encantar
 
A cantar sinto consolo,
O Tito Paris tento imitar.
Com o meu fraco Crioulo,
Nesta Morna de encantar.
 
 
Manuel Nobre – Sines
 
 
 
 
 
 
 
 

"CONFRADES DA POESIA"

www.confradesdapoesia.pt