"BIOGRAFIA"

"Carmo Vasconcelos"

 

Maria do Carmo F. de Vasconcellos Figueiredo - Nome Literário: Carmo Vasconcelos - nascida a 27 de Maio de 1938; Natural de Lisboa - Portugal - Desde sempre cultivou a paixão pela leitura e pela escrita.
 Pela sua participação em vários Jogos Florais teve o privilégio de ganhar numerosos prémios e menções honrosas.
É membro da Associação Portuguesa de Poetas (onde já integrou os Corpos Directivos) e do Cenáculo Literário Marquesa de Valverde, nos quais já colaborou como júri de concursos literários. Participante assídua dos encontros da Associação Fernando Pessoa, em Lisboa, aí foi distinguida com um trabalho de sua autoria, intitulado "A FASE MÍSTICA DE FERNANDO PESSOA".
Amante da Filosofia e da Psicologia, eterna buscadora, estudante de esoterismo e misticismo, é membro da Ordem Rosacruz-AMORC (Grande Loja do Brasil), onde teve a honra de ser nomeada “Mestre Auxiliar” e, mais tarde, indigitada para “Mestre” (cargo que não aceitou), do Capítulo AMORC de Lisboa, que ajudou a inaugurar em 1979.
Entre outras, proferiu uma palestra na Livraria-Galeria Verney, em Oeiras, (Portugal) que teve por tema "O HOMEM E O UNIVERSO" e na Net, uma conferência, seguida de debate, intitulada "REENCARNAÇÃO, CARMA E EVOLUÇÃO" A par da sua escrita tem-se dedicado à tradução e revisão literária de obras portuguesas e estrangeiras. É autora de vários Prefácios.
É membro de: - APP-Associação Portuguesa de Poetas; Gerente e autora do Grupo Ecos da Poesia - GEP; Patrono da Academia Virtual Sala de Poetas e Escritores - AVSPE; Membro convidado da Academia Poçoense de Letras e Artes – APOLO; Autora na Varanda das Estrelícias; Portal Cen; Poetas Del Mundo; Recanto das Letras; Luso-Poemas; O Melhor da Web, UniRio; Blog de Daniel Cristal, Blog de Efigênia Coutinho; ArtCulturalBrasil (Reino da Poesia); Imprensa Revista Zap;
António Miranda (Poesia de Ibero-América); Carlos Lemberg; Mural dos Escritores; Portal do Poeta Brasileiro; Confrades da Poesia (Amora/Portugal).
É Directora Cultural da Revista EisFLUÊNCIAS - É integrante da Revista DESTAQUE, do Mural dos Escritores, como representante da Língua Portuguesa
É Directora de Eventos Literários da AVSPE 

 

BIBLIOGRAFIA:

"GEOMETRIAS INTEMPORAIS" - E-Books: “O VÉRTICE LUMINOSO DA PIRÂMIDE” (Romance, 2 Volumes), “ROMPENDO AMARRAS”, “MEMORANDO DE FOGO”, “DESPIDA DE SEGREDOS”, “LUAS E MARÉS” e “SONETOS ESCOLHIDOS I II e III (3 vol.) - http://www.delnerobookstore.com/bibliotecas_virtuais/carmo_vasconcelos

 

Sites e Blogs:
http://carmovasconcelosf.spaces.live.com - http://www.criemberg.com.br/poeta/carmo/carmo.htm - http://muraldosescritores.ning.com/profile/CarmoVasconcelos
http://recantodasletras.uol.com.br/autores/Carminho - http://www.eisfluencias.verbostrepitus.com/ - http://www.avspe.eti.br/poetas/carmo_biografia.htm
 
 
Paz ao Mundo
 
 
Jamais se alcança a paz entre o tumulto
Do egoísmo em desmedida proporção,
Qual ópio que embebeda o coração
E doa à mente errada falso indulto.
 
A paz é agasalho dado ao imo,
Oferta da tranquila consciência,
Quando usa a plena acção, sem contundência,
E do amor faz bordão de fiel arrimo.
 
Ausente a paz, soçobram as nações,
Esmorecem as almas em martírio,
E sucumbem os corpos em delírio!
 
Livremo-nos de fúteis ambições;
Supremacias vãs – solo infecundo…
E pintemos de Paz o mapa-Mundo!
 
Carmo Vasconcelos
 
 
 
 
MÃOS ENAMORADAS
 
 
Enlaçavam-se as mãos em alvoradas,
Ébrias manhãs de sol, noites aluadas,
Mas os astros fundiram-se, apagaram,
E as mãos, soltas, perdidas, se apartaram.
 
Seus corações, porém, sobreviveram
À escuridão que cegos os fizeram,
E em meio do desvario dessa cegueira,
Cada um se arrastou por nova esteira.
 
Agora, rente aos cardos do caminho,
Ambos os corações choram baixinho,
A sangrar no árduo piso dos escolhos…
 
Mas um dia, limpo o chão, secos os olhos,
Há-de emergir das provas que venceram,
O reencontro das mãos que se perderam!
 
 
Carmo Vasconcelos 
 
 
 
 
HOJE
 
 
Por hoje decidi ficar comigo,
A mente nua, isenta de sensores,
Tal um amplo celeiro, ausente o trigo,
Ou coração liberto, sem temores.
 
Por hoje só pretendo a liberdade,
Dispersa a luz total do pensamento,
Ao ponto de expulsar qualquer saudade
E sombra de paixão ou desalento.
 
Por hoje vou dar rédea solta à estúrdia,
Unir-me à multidão alucinada,
Misturar minha voz co’as da balbúrdia!
 
Beber, amar, cegando a culpa e o juiz.
Da fascinante noite, irmã, e aluada,
Ser astro sem memória… Ser feliz!
 
Carmo Vasconcelos
Mãe
 


Tal Rainha Santa que das rosas fez o pão,
Tu tornas, mãe, nesse teu ventre, o amor em filhos!
Nessa alquimia, os vais juntando, quais cadilhos,
À nívea franja do teu grande coração!

Não sendo tu Rainha ou Santa, és abençoada,
Por milagrosamente o teu corpo gerar
O poema excelso, transcendente e milenar,
Parido em sangue e dor na carne lacerada!

Dores atrozes que, extasiada, desmereces
Ao no regaço ter o frágil ser que aqueces
Ao calor ímpar desse instante divinal!

E desligado o ténue fio umbilical,
Só rompe a morte esse amarrado amor materno,
Posto que atado foi no céu plo Pai Eterno!

 
Carmo Vasconcelos

 

 

EM CÉUS DE FESTA
(Sextilhas)
 
 
 
Pérolas que preservo com rigor
São os versos de um dueto primoroso,
Se, de um poeta que dessa arte extremoso,
Me chegam com mestria e casto amor.
- Oferta generosa e despojada,
Carinho de um irmão de caminhada!
 
E elevam-se essas peças nos enredos,
Plo labor extremado dos poetantes
Que, de próximas penas ou distantes,
Unificam suas almas,sem segredos. 
- E mais se vão querendo na folia
Dos arroubos de mágoa ou d' alegria!
 
Que o verbo entrelaçado é como um filho
Gerado por amantes não casados,
Mas tem seus dons em dobro festejados
Por quem faz da palavra seu cadilho.
- Que se amem os poetas nesta gesta,
Alçado o seu voejar em céus de festa!

 

Carmo Vasconcelos 

 
 
 
 

"CONFRADES DA POESIA"

www.confradesdapoesia.pt