"BIOGRAFIA"

"Carlos Alberto Sequeira Varela"

 

Carlos Alberto Sequeira Varela – de nome literário (Carlos Varela); nascido a 27 de Fevereiro de 1940 – Natural de Vimieiro; Viseu Portugal atualmente vive em Paços de Brandão. Habilitações literárias 3º Ciclo Liceal antigo na Escola Liceu D. João III.
É histórico e notório o seu percurso literário, com poemas de sua vida...
Atualmente é Membro de: “Confrades da Poesia” e Pioneiro da  “Rádio Confrades da Poesia” – Amora / Portugal
 
 
Bibliografia:
Três livros de Poesia publicados:
Poemas d'Amor - 2013
No Tempo d'Amar - 2014
A minha vida...em poemas - 2015

12 estudos publicados na Academia.edu :
- Apontamentos Sobre o Estabelecimento da Indústria Corticeira no Norte de Portugal
- Dos Moinhos às Fábricas de Papel
- Apontamentos de História de Portugal e Local (Paços de Brandão) - Idade Média (Livro com ISBN)
- Apontamentos de Literatura Portuguesa - Gil Vicente; Luís Vaz de Camões; Poesia Trovadoresca; Poetas Palacianos; Poesia Quinhentista-Vol 1 e vol.2; Poesia Seiscentista; Poesia do Séc. XVIII; Poesia do Séc. XIX
 
Sites.:
 
 
PARA UMA ROMEIRA

 
Que tão bem sabe viver
E muito conhecer
De festas, é a primeira…
Com tão belo despertar,
É bela esta caminheira,
Esbelta no seu andar…
D’esta Terra da Feira,
Romarias vai conhecer,
É esse o seu amar…
A Nossa Senhora da Livração,
Entrega seu coração;
A Nossa Senhora d’Agonia,
Lá vai por um dia;
Ao Senhor dos Desamparados,
Votos, Lhe são dados:
«P’ra se afastar a dor,
Com muita Paz e Amor»!...
 
 
Carlos Varela (CASV)
 
 
 
 
 
 
 
 
UM POEMA…TALVEZ DE NATAL
 
 
 
Minha Alma em orgia,
Que só pensa na filosofia
De teus olhos brilhantes,
Como setas flamejantes,
Que vão indicar um caminho,
Entre rosas e rosmaninho,
Bonito, tem perfume de se ter,
E de teu belo corpo se ver!...
 
Tua inocência de virgem,
Em mim se torna em vertigem,
Sinto-me solitário e infeliz,
E só tu, podes ser meu juiz!...
 
Ao rubro do sol, tua figura bonita,
Em mim se fica, em dor infinita!...
Senhora!... Essa tua fineza,
Deixa Alma a ti presa,
Pedindo ao Mundo, um conceito,
Que nos leve ao Amor Perfeito!...
 
 
 
 
 
Carlos Varela (CASV)
 
MEMÓRIA DO POETA
 
 
Na memória dos acontecimentos
Tudo o poeta domina
É vida que sol ilumina
São nobres e velhos sentimentos
Cantares, em Paz, nesta cidade
Na memória de minha idade!...
 
Não vou perder tempo a mentir
Na curva do tempo, que há de vir
A Poesia é luz que dominará
Pelos sons dos Anjos virá
Alegria de se conhecer
Da injustiça, é para esquecer
É procurar-se a aventura
Sonhos com ternura
O canto que perdoa
Amor, a quem me odeia
Procurar ter-se a veia
Em letras de canto que falo,
Canto livre, de que me não calo…
 
E tudo soa com conta e medida
Porque a Poesia, neste canto, é Vida!...
 
 
 
 
 
NATAL
 
 
 
Lágrimas que correm
De uma Alma, em cascata
São de alguém ou de ninguém
Será saudade que em tal desata!...
 
De tão Velho, as palavras são francas,
São de alguém de barbas brancas,
De alguém de quem se aguarda
Um adeus, que não tarda!...
É Natal, e se poisa uma flor
Em lugar que é de dor.
É Natal. Uma estrela apareceu,
O Menino nasceu
Simples e belo
E muito singelo!...
É Natal. Vem o homem e mudou
O belo e singelo, moldou,
Ficou um corpo, à luz
Uns braços, na cruz!...
 
As lágrimas correm
Numa Alma, em cascata
São para alguém ou ninguém
É saudade que em tal desata!...
 
 
Carlos Varela (CASV)
 
 

"CONFRADES DA POESIA"

www.confradesdapoesia.pt