"BIOGRAFIA"

"Ana Pereira"

 

"A Poesia é o pulsar do seu coração"

 
 
Ana Beatriz Pereira Palmela; nome literário “Ana Pereira” – nascida 29 de Março de 1989 – natural do Alto Seixalinho; Barreiro. Habilitações literárias com o 12º ano. Curso Técnico de Multimédia. Também é webmaster.
Começou a gostar de poesia, desde a sua infância, juntamente com a música. Não se diz poeta, mas são os seus amigos que a definem.
O que tem escrito, na gaveta escondeu, por vezes lá vai revelando aos seus amigos as suas prosas poéticas. É uma mulher assumida como lutadora por natureza.
Actualmente é membro de “Confrades da Poesia” em Amora – É radialista na “Rádio Confrades da Poesia”.
 
 
E-mail: anabpalmela@gmail.com
 
Bibliografia:
Não tem livros editados.
 
Sou Lutadora
 
 
Sou lutadora por natureza
Nada tenho a temer
Por mais que me testem
Nunca vou ceder
 
A vida tem destas coisas
Quando penso que tudo está bem
Aparece sempre algo para me testar
Mas sou lutadora
Há mais marés que marinheiros
Pois não cedo
Sou lutadora até morrer!
 
 
 
 
Ana Pereira - Amora
 
 
 
 
Mundo de Loucos
 
Num mundo de loucos forte é aquele que consegue por si só sobreviver
Sobreviver a pessoas que se julgam donas de si, de tudo e de todos!
Onde não são mais do que qualquer um!
Tento ser forte mas por vezes as forças não acompanham o andar da carruagem.
Ate quando?
Veremos…
 
 
 
 
Ana Pereira - Amora
 
 
Poema Sentido
 
 
Nos teus braços quero cair
Para neles me perder e nunca mais soltar
Serás tu o meu porto de abrigo
Que eles nunca quero largar.
Serás tu o meu anjo da guarda
Ou um anjo pecador
Que por ti anseio
Com todo o seu esplendor.
 
 
 
Ana Pereira - Amora
 
 
 
 
Caracterização de Ana Beatriz Pereira Palmela
 
 
 
Os seus olhos demonstram tudo,
Nariz arredondado, de outro mundo
Olhos expressivos que estão sempre abertos
É um encanto vê-los sempre despertos.
 
Curto e espigado, é assim o seu cabelo encaracolado
Está sempre no seu canto, não se mete com ninguém
Isto é um encanto, ver este rosto de alguém.
Não é magro, nem tão pouco gordo
Mas não causa nenhum desgosto.
Tem os seus amigos de verdade que não tratam com falsidade.
 
 
Escrito por Zercileid Lima para Ana Palmela
10.12.2009

 

 
 

 
 
 

"CONFRADES DA POESIA"

www.confradesdapoesia.pt